quarta-feira, 27 de maio de 2009

Retalho de uma saudade

O amor não é tema
Para as tantas poesias das prateleiras
Do quarto ou da sala

Nem dos sambas
Nem das valsas

O que dá ao poeta fome
É a saudade

Essa sim retalha a alma nas mãos
E as minhas já estão cansadas.


4 comentários:

Carol Waideman disse...

Mas não é uma saudade boa quando você sabe que a outra pessoa sente o mesmo? É boa, sim, falta o ar.

Ruim é essa aqui, que se sente sozinha.

marlene disse...

Bonito, bonito...
Adorei essa apreensão da saudade.
Em termos de construção poética,
a última linha não está um tanto
sobrando? a mim deu a sensação
que ela quebra um pouco o ritmo.

Anônimo disse...

Saudades é uma via de mão dupla e atemporal! Bate por vezes.

carol disse...

nossa! que coisa bonita!